"educação diferente" é um blog da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional onde serão abordadas temáticas relacionadas com a educação especial e com as Nee... Participa! edif@sapo.pt
Quarta-feira, 3 de Maio de 2006
Paralisia Cerebral

“ Privação ou diminuição da sensibilidade e movimento”

 

                                   Definição:

 

A Paralisia Cerebral é uma doença do foro neurológico que afecta as funções básicas do ser humano (fala, postura, movimento).

Existem vários tipos de Paralisia Cere-bral: espástica (em que o movimento é difícil); atetósica (o movimento é descontrolado e involuntário); atáxica (o equilíbrio e a sensibilidade profunda são anormais); mista (uma combinação de vários tipos).

 

 

Causas / Sintomas e Sinais:

 

A Paralisia Cerebral é provocada por uma lesão no cérebro e no sistema nervoso ocorrida antes do nascimento; durante o parto ou depois do nascimento (pouco depois do nascimento).

 

Os sintomas variam consoante a área de extensão da lesão, podendo incluir: tiques; perturbação da marcha; espasmos; convulsões e fraco tónus muscular.

 

Para além da motricidade, a Paralisia Cerebral também pode afectar a visão, a audição, a inteligência e a fala.

 

Diagnóstico:

 

A necessidade de um diagnóstico precoce prende-se com o facto de dar início à terapia o mais cedo possível.

 

A Paralisia Cerebral pode manifestar-se logo à nascença ou mais tarde. Em caso de suspeita deve-se consultar um neurologista pediátrico a fim de determinar a extensão e localização da lesão cerebral, de forma a colocar de parte outras doenças.

 

Exames a efectuar: análises de sangue e urina (para eliminar a hipótese de outras doenças que produzam sintomas semelhantes): electroencefalograma (para medir a actividade eléctrica do cérebro); electromiograma (para medir a actividade eléctrica dos músculos); um TAC. (Para detectar alterações cerebrais.

 

Tratamento médico:

 

O tratamento deve envolver uma equipa de profissionais ao nível da saúde: Fisioterapeutas; Terapeutas da Fala e Terapeutas Ocupacionais; um Psicólogo; um Ortopedista e um Neurologista.

 

A Paralisia Cerebral não tem cura, o objectivo do tratamento médico é ajudar a criança a conseguir uma maior independência possível.

 

Alguns exemplos: as convulsões podem ser controladas por medicamentos; o tratamento ortopédico pode incluir talas, canadianas e aparelhos diversos que possam evitar contracturas e outras deformações dos braços e pernas; a cirurgia ortopédica pode ser também uma opção cortando músculos e tendões contraídos (permitindo a sua distensão) ou unindo determinados ossos (de modo a estabilizar as articulações).

Este tipo de cirurgias pode permitir à criança um melhor equilíbrio e andar.

 

Ensino-Aprendizagem:

 

O Processo Ensino-Aprendizagem deve ser organizado e estruturado de forma a privilegiar o desenvolvimento geral da criança ou jovem com Paralisia Cerebral.

Deve existir uma equipa de profissionais que trabalhem no sentido de suprimir as dificuldades da criança ou jovem.

 

A criança/jovem com paralisia cerebral deve beneficiar de áreas que possibilitem e auxiliem o seu desenvolvimento, tais como:

 

-         Terapia da Fala – Para elevar a capacidade de expressão oral e de comunicação.

 

-         Terapia Ocupacional – De forma a desenvolver aptidões úteis que lhes permitam desempenhar tarefas de rotina.

 

-         Psicomotricidade – Para melhorar a adaptação ao mundo exterior, através do domínio do equilíbrio; controle da inibição voluntária e da responsabilidade; consciência do corpo; eficácia das diversas coordenações globais e segmentárias; organização do esquema corporal; orientação espacial; etc.

 

-         Apoio Psicológico – Para acompanhar a criança/jovem durante o Processo Ensino-Aprendizagem ao nível psicológico.

 

-         Fisioterapia – Através da utilização do exercício e técnicas de relaxamento; para ensinar a caminhar com o auxílio de canadianas muletas e outros aparelhos (como cadeira de rodas); para auxiliar a rotina diária da criança ou jovem.

 

-         Áreas de Expressão – A Dança e Música podem auxiliar as crianças ou jovens a elevarem a sua coordenação, desenvolverem o tónus e força muscular, autoconfiança, etc. As actividades de Expressão Plástica, como a Pintura podem ajudar no desenvolvimento da motricidade, comunicação, etc.

 

-         Actividades Aquáticas – O contacto com a água ou realização de exercícios dentro de água auxiliam um melhor funcionamento do sistema circulatório, respiratório, fortalecimento dos músculos, aumento do equilíbrio, relaxamento muscular, diminuição de espasmos, aumento da amplitude de movimentos, etc.

 

-         Massagens – Aliviam espasmos e reduzem contracções musculares.

 

-         Informática – A utilização do computador pode ajudar ao nível da comunicação, assim como ao nível da motricidade fina.

 

-         Actividades da Vida Diária – Para trabalhar a higiene, segurança, entre outros.

 

A criança ou jovem com Paralisia Cerebral pode estar integrada no Ensino Regular ou Especial. Contudo, a criança/jovem deve beneficiar numa primeira instância de uma Estimulação Global e só posteriormente de uma Iniciação Académica.

 

O trabalho realizado pelos técnicos (Professor, Educadora, Psicóloga, Terapeutas, etc.), assim como a inter-acção de todas as áreas acima mencionadas deverão procurar elevar o nível Cognitivo; Autonomia Pessoal e Social; Comunicação; Psicomotor; Sócio-Afectivo; assim como desenvolver a área Sensorial-Perceptiva.

 

 

Encarregados de Educação:

 

Os Encarregados de Educação podem proporcionar um ambiente que estimule a aprendizagem e a exploração.

 

Ajudando no exercício físico regular; no desenvolvimento de hábitos de higiene; utilização de materiais e utensílios que auxiliem a criança/jovem com Paralisia Cerebral (tais como: talheres especiais, auxiliares para vestuário, escovas de dentes próprias, entre outros).

 

A Paralisia Cerebral é uma doença que dura toda a vida e geralmente requer uma adaptação e uma formação no sentido de atingir a auto-suficiência.

 

É necessário que exista um trabalho conjunto entre Técnicos e Encarregados de Educação, proporcionando uma diversidade de áreas, no sentido de desenvolver e elevar as capacidades gerais da criança/jovem com Paralisia Cerebral, assim como a sua qualidade de vida.

Autoria: Prof. Pedro Santos

Data: 2003

 



publicado por educação diferente às 14:42
link do post | comentar | favorito
|

43 comentários:
De José Elias a 26 de Novembro de 2007 às 14:44
Gostava de saber, porque é que nas equipas atrás descritas, não existem Assistentes Sociais. É mais que evidente que o modelo médico, visa o "tratamento" eequecendo completamente o papel das famílias


De me a 10 de Fevereiro de 2008 às 19:18
Gostaria de felicitar o(s) autor(es) desta iniciativa, pois, de uma maneira sucinta, apresenta(m) informação essencial a quem trabalha com alunos NEE, nomeadamente com esta problemática, a paralisia cerebral. Considero que deveriam existir mais sites direccionados para o trabalho prático(com propostas, actividades, exercícios, que permitam um desenvolvimento global e sustentado) com estas crianças, jovens e adultos.


De Isabel Cristina a 24 de Outubro de 2008 às 21:12
Gostaria de sugerir que fossem feitas sugestões práticas de alfabetização e letramento e linguagem matemática, a fim de alfabetizar cças com PC que possuem deficit cognitivo leve e boa oralidade.


De roberta araujo a 4 de Agosto de 2013 às 06:57
Tenho um filho com pc leve, mas sinto que ele tem dificuldade na escrita e um pouco na aprendizagem, o que fazer para ajudar, como auxiliar em casa e qual metodo usar na escola


De luciana a 7 de Novembro de 2008 às 18:55
Gostaria de dicas de atividades de alfabetização.
Sou estagiaria de pedagogia, acompanho uma criança de 11 anos, que ainda não se alfabetizou, pelo que tenho observado sua PC não é muito gde.


De maria adelaide gomes a 23 de Fevereiro de 2009 às 16:57
MEU FILHO TEM 44 ANOS E ATE HA CERCA DE 6 ANOS FREQ A PARELISIA CEREBRAL EM TELHEIRAS .COMO ERA LONGE DE CASA INDICARAM NOS AS CERCIS EM BARCARENA.NO PRIMEIRO ANO NAO SE QUEIXOU,MAS AGORA ANDA POUCO ADAPTADO LA POIS TEM MUITOS DEF MENTAIS ,E ELE E SOBRETUDO MOTOR.COMO DEVO FAZER OU ONDE ME DIRIJO PARA PEDIR PARA MUDAR PARA OEIRAS,CENTRO DR.BELMAR DA COSTA,OU OUTRO LADO QUE MAIS SE AJUSTE A ELE .DESDE JA AGRADECIDA A MAE


De Ana a 9 de Março de 2009 às 22:36
Tho uma filha de 18 anos que sofre desta doençã caiusada por imcompetência médica. depois de muito galgar por paises onde a medicina tornou-se mais evoluta , a mha filha passou a ser autodependente. so que de a uns dias a esta parte, note que tem estado a surgir alguns retrocessos no desenvolvimento motor e psicologico. Será normal? Srá uma fase? Ser+a uma das causada da doença? Qto maior idade mais retrocesso?


De ana caetano a 25 de Março de 2009 às 23:39
li o que a ana escreveu da sua filha e 18 anos eu tenho agora um bebe de 3 meses que sofreu lesoes graves no cerebro pois temo muito o futuro dele,mas a senhora por esperiencia propria diz ter ido a varios paises se me pode se contactar para me dar algumas dicas~´e que nao sei por onde começar já me indicaram para alcoitao mas nao me parece grande coisa aguardo uma resposta perciso que me ajudem por favor, obrigado


De Ana a 30 de Março de 2009 às 15:48
Querida Ana Caetano.
Sendo a sua bebe ainda muito pequena, vc nao verá nada de anormal no seu desenvolvimento.O que aconselho desde ja é pensar em arranjar um bom neurologista , só ele será a pessoa capaz para a seguir desde ja o desenvolvimento do bebe. Quando estive ai em portugal naltura nao tive muito boa experiência com o Alcoitão, mas sei que o sistema de atendimento melhorou muito bastante e que existe pessoal capacitado e com experiência no assunto. O ano passado em Maio Conheci em Setubal a Drª Elsa Fragoso uma medica neurocirurgião muito boa. Seria bom, e se a Ana consegue marcar uma consulta com ela para o efeito. manda-me o seu email para qdo chegar a casa lhe enviar os contactos da clinica, bem como da Drª Elsa.
Ana, A africa do Sul foi a porta aberta para o desenvolvimento da minha filha, Cuba o milagre, Graças a Deus a minha menina recuperou bastante. Tenha Fé, Deus ajuda sempre, quem sabe nao será tão grave assim. Confiança e coragem. Sabe depois de 18 anos e ficando psicologicamente arrasada com a doença da Indira , jurei nunca mais ter filhos, mas Deus abençou-me com uma rapaz que é o tesouro mais lindo, mais inteligente, que eu poderia ter para compensar tdo que vivi e ainda vivo com a Indira.
Força!!!


De Tiago Pacheco a 23 de Junho de 2010 às 10:08
Tenho uma filha com 16 meses e tem paralesia cerebral, está muito atrasada no aspecto motor, anda na fisioterapia, terapia ocupacional e Terapia da fala na instituto de paralesia cerebral no lumiar, se alguém me pudesse dar uma sugestão com ajudar a minha filha eu agradeço do fundo do coração...


De Lucia Mesquita a 24 de Julho de 2011 às 18:36
A minha filha tb tem parelesia cerebral secundária, causada pelo citomegalovirus.
Para além das terapias que a sua filha faz, tente tb a hipoterapia (equitação terapeutica). É um estímulo muito forte.


De Rui Rocha a 17 de Abril de 2009 às 18:08
Olá,
Tenho uma filha de 3 anos com PC. A PC afecta a motricidade das crianças, impedindo-as assim receber alguns estimulos. A melhor coisa que podemos fazer é brincar muito com eles, dar-lhes estimulos para os ajudarmos a serem independentes.

A minha filha sofreu de uma sépsis neonatal que originou uma meningite que a deixou com sequelas (foi feita Ressonância). O pediatra que se apercebeu logo com 3 meses que a tonicidade muscular estava diferente da normal e encaminhou-a logo para fisioterapia.
Desde então tem feito fisioterapia, terapia ocupacional, já fez hidroterapia, com 2 anos iniciou terapia da fala, no infantário tem 2 vezes por semana uma educadora do ensino especial.... e é mesmo muito estimulada em casa pais e avós. Os fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais ajum bastante sofre aquilo que podemos fazer para ajudas os nossos filhos a serem estimulados. Os tratamentos são sempre feitos em locais especializados e do estado, com excepção da hidroterapia. Como somos do porto ela fez tratamento no UADIP e agora vai pasar para a APPC.
Acerca de Cuba e estrangeiro foi-nos dito que o que fazem lá tb se faz cá! Relativamente a Cuba as pessoas veêm melhorias pq durante 15 dias ou 1 mês não fazem mais nada a não ser várias horas de tratamento por dia, se as fizessem cá tb teriam os mesmosresultados.
O mais importante é mesmo fornecer-lhes estimulos e brincar muito com eles e dar-lhes muito amor.
Não sei se ajudei.... Para qualquer pergunta: desousarocha@gmail.com.




De helder a 27 de Novembro de 2010 às 14:41
tenho filha com Paralesia cerebral e descobri em Oliveira de Azeméis uma clinica que faz Ozonoterapia, à imagem do que é feito em Cuba.
Contacto da clinica 966282406 (Enfª. Anabela)


De helder a 27 de Novembro de 2010 às 14:43
tenho filha com Paralesia cerebral e descobri em Oliveira de Azeméis uma clinica que faz Ozonoterapia, à imagem do que é feito em Cuba.
Contacto da clinica 966282406 (Enfª. Anabela)


De patricia a 25 de Junho de 2010 às 10:49
Gostaria de saber onde levou a sua filha, pois também tenho um filho com o mesmo problema e todos as novas informaçóes são bemvindas,


De Maria Antónia Campos a 14 de Abril de 2009 às 15:14
No tratamento da PC, principalmente nos casos em que existem graves problemas com a alimentação, nomeadamente: descoordenação na mastigação e deglutição dos alimentos, disfaga, desnutrição, obstipação, o NUTRICIONISTA é um técnico indispensável no acompanhamento destes doentes. Portanto é concerteza esquecimento não mencionar estes técnicos nas equipas muitidisciplinares.
A. Campos


De Anónimo a 29 de Maio de 2009 às 23:38
Poderão encontrar algumas respostas contactanto a Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa, atraves de: www.apcl.org.pt


De flavia a 5 de Agosto de 2009 às 20:17
Gostaria de saber informações sobre aprendizagem com jovens que tem paralisia cerebral,pois sou catequista e tenho um aluno com paralisia cerebral e nas aulas vejo que tem uma certa dificuldade em acompanhar a turma.Como posso dar essa aula??usar mais as expressões corporais ,escrita,desenhos???
Atenciosamente
Flávia


De cristiane a 21 de Setembro de 2009 às 14:51
sou professora da rede municipal de educação,tenho28 alunos na turma de primeiro ano do primeiro ciclo, entre esse alunos recebi uma aluna com pc , estou perdida ela possui muita dificuldade ao realizar as ativivades propostas tanto na pratica como em sala de aula. se possível gostaria de ajuda, materiais e como trabalhar com essa aluna, desde já obrigada.


Comentar post

quem somos
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


artigos recentes

Formação Educação Especia...

Definição e informações s...

Sobre o TEA

VII CIMEIRA VIRTUAL DE ED...

Abertura da VII Cimeira

Portugal

EUA

Canadá

Brasil

Espanha

Austrália

França

Africa do Sul

Fim da VII Cimeira

Síndrome de Down

Síndrome de Warkany ou Tr...

Síndrome de Tourette

Síndrome de Patau

Síndrome Kabuki

Síndrome de Edwards ou tr...

Síndrome de Alstrom

A deficiência mental/Inte...

Tabela da composição dos ...

Equilíbrio alimentar

VI CIMEIRA VIRTUAL DE EDU...

Abertura da VI CImeira Vi...

Portugal

Escócia

Chile

Brasil

Espanha

Inglaterra

EUA

Itália

Austrália

França

África do Sul

Uruguai

Argentina

Fim da VI Cimeira

PACOTE DE EDUCAÇÃO ESPECI...

Desporto e deficiência

Inclusão de alunos com Ne...

Atitude

Deficiência e actividade ...

Benefícios da actividade ...

Saúde Mental e Actividade...

Método Cuevas Medek Exerc...

Deficiência Mental

Hiperactividade

arquivos

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

temáticas

artigos de opinião

Artigos de Opinião

Associação Portuguesa de Investigação Ed

associação portuguesa de investigação ed

cimeira 2008

cimeira 2009

cimeira 2010

cimeira 2011

cimeira 2012

cimeira 2013

cimeira 2014

divulgação

educação especial

informações

intervenção

Intervenção

Investigação

investigação 2

projectos

recursos

sindromes/problemáticas

Sindromes/Problemáticas

síndromes/problemáticas

todas as tags

educação diferente
subscrever feeds