Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Inclusão de alunos com Nee

Um dos objetivos da inclusão de alunos com deficiência, é transformar as escolas, em espaços de formação/ensino de qualidade para todos os alunos.

Compete aos professores transmitir valores, normas, padrões de comportamento para viver em sociedade, formas de pensar, entre outros...

A educação física tem como objectivo auxiliar o desenvolvimento harmonioso do corpo e da mente, contribuindo para a formação da criança/jovem de uma forma geral, ao nível da saúde, na vida em sociedade, etc...

Assim sendo, o sucesso da inclusão depende em grande medida da qualidade dos programas regulares de educação física e da possibilidade de estes irem ao encontro das necessidades de indivíduos diferentes (Sherrill, 1998).

A disciplina de educação física contribui mais do que as outras para a inclusão de alunos com deficiência na escola, isto porque, contribui para o desenvolvimento dos três domínios fundamentais do comportamento humano: domínio cognitivo (capacidades intelectuais); domínio afetivo (sentimentos, opiniões, atitudes, crenças, valores, interesses, desejos,...); e domínio psicomotor (desempenho motor, forma física,...). Fazendo parte integrante do currículo oferecido pela escola, esta disciplina pode constituir-se como um adjuvante ou um obstáculo adicional a que a escola seja (ou se torne) mais inclusiva (Rodrigues, 2003). Daí a importância da disciplina, do professor e das suas atitudes face à deficiência.

Podemos definir a atitude, como a tendência/predisposição adquirida e relativamente estável para agir, pensar ou sentir de uma determinada forma (positiva ou negativa) face a um objeto, pessoa, situação, grupo social, instituição, conceito,...

No contexto da escola,  as atitudes desempenham um papel de extrema importância, pois influenciam a abordagem dos agentes educativos em relação aos diversos problemas existentes na escola (como o ensino de alunos com deficiência).

As atitudes estão diretamente ligadas à forma de atuação dos professores de educação física - apresentando-se como principal facilitador do processo ensino-aprendizagem. Atributos como: idade, género, experiência profissional, formação, competência percebida, qualidade da experiência percecionada, entre outras variáveis preditoras das atitudes dos professores... influenciam as perceções dos professores em relação à inclusão de alunos com deficiência.

Para além disto, estudos mostram que: de uma forma geral, os professores de educação física apresentam atitudes favoráveis em relação ao ensino de alunos com deficiência. Estudos concluem que existem diferenças entre sexos (professores e professoras), também mostram que geralmente os professores mais jovens apresentam atitudes mais favoráveis em relação ao ensino de alunos com deficiência. Porém, os professores mais velhos apresentam maior competência e qualidade da experiência. Comprovam também que a formação/sensibilização em educação especial é uma mais valia para a prática (no trabalho com alunos deficientes).

De uma forma geral, e no sentido de uma melhoria efetiva das atitudes dos professores de educação física em relação aos alunos com deficiência, é imperioso que se desenvolvam/implementem estratégias no sentido de realizar ajustamentos curriculares (ao nível da formação inicial de professores), assim como sondar/inventariar as necessidades de formação dos professores de educação física (ao nível da educação especial).

Para além dos professores, o sucesso da inclusão está também relacionado com a atitude dos alunos sem deficiência face à inclusão dos seus pares com deficiência na aula de educação física.

Os atributos que contribuem para as atitudes dos alunos podem ser subdivididos em três áreas: variáveis relacionadas com os alunos sem deficiência (género; nível de ensino; contacto prévio com a deficiência e nível de competitividade); variáveis relacionadas com a mudança de atitudes (intervenção de cariz inclusivo); variáveis relacionadas com o aluno com deficiência (tipo e grau de deficiência).

No que respeita as diferenças de género os resultados mostram que as raparigas têm atitudes mais favoráveis face a crianças com deficiência do que os rapazes, contacto prévio com deficientes em ambiente familiar ou próximo propicia atitudes mais favoráveis; alunos não competitivos apresentam atitudes mais favoráveis;...

Professores, encarregados de educação e sociedade desempenham um papel de extrema importância no desenvolvimento global do aluno. São eles, que através das suas atitudes, transmitem a confiança, o afecto e a aceitação necessários a fim de promover um equilíbrio e um crescimento harmoniosos. Assim, o aluno com deficiência criará novas formas de acção, atitudes e comportamentos, baseando-se na imitação da conduta das pessoas que a rodeiam.

António Pedro Santos