Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Hiperactividade 3

 

ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO NA SALA DE AULA

 

Como Ajudar o Seu Aluno na Sala de Aula?

 

 

As aulas e as tarefas escolares podem ser actividades estimulantes mas também podem ser bastante maçadoras. As crianças que sofrem de DHDA aborrecem-se facilmente, desinvestindo da escola quando esta não consegue ser suficientemente apelativa e estimulante.

 

As crianças com DHDA podem ser ajudadas a tirar o melhor partido possível da escola e a controlar o seu comportamento. Um trabalho de equipa (que engloba pais, professores, médico e psicólogo) é a melhor forma ultrapassar o DHDA. Uma vez que grande parte do tempo da criança é passado na escola, os professores e os educadores têm um papel bastante importante no controlo dos sintomas.

 

O professor pode colocar em prática algumas estratégias que podem ajudar a melhorar a relação do aluno com a escola. As estratégias que são apresentadas em seguida foram testadas por vários autores, que obtiveram resultados positivos (Fonseca, 1998; Fonseca & Cols., 1998; Hallowell & Cols., 1992; Lopes, 2004; Phelan, 1991; Rebelo, 1997; Silva, 1997; Simões, 1998). Para facilitar a leitura estas estratégias foram agrupadas por temas.

 

...Adapte-se ao seu aluno...

 

 

³                 Aceite o aluno tal como ele é e mostre disponibilidade para o ouvir e ajudar.

 

³                 Estabeleça uma relação marcada pelas manifestações de carinho. Mostre ao aluno que está do lado dele e fará tudo o que for possível para ajudar.

 

³                 Peça-lhe que ele o ensine a ajudá-lo.

 

³                 Seja capaz de modificar as suas estratégias de modo a adaptar-se ao aluno e às suas necessidades. Mude as recompensas se considerar que não são eficazes na mudança de comportamento

 

³                 Dê tempo extra para acabar as tarefas que são realizadas na sala de aula e não penalize o aluno por necessitar desse tempo extra. O tempo limite para a realização dos testes também deve ser aumentado.

 

³                  Procure aperfeiçoar o material didáctico ou lúdico de modo a adaptar-se às aptidões do aluno.

 

³                  A matéria dada na aula deve ser relacionada, sempre que possível, com a experiência anterior da criança.

 

³                  Modifique as normas de avaliação e avalie o aluno tendo em conta as suas aprendizagens, para evitar frustrações e desmotivação.

 

³                  Ajuste o ritmo da aula à capacidade de compreensão do aluno.

 

 

...As Regras...

 

 

³        As regras que o aluno terá que cumprir devem ser negociadas no início do ano, tal como a escolha das possíveis consequências decorrentes do incumprimento de cada regra e recompensas decorrentes do cumprimento das mesmas.

 

³                 As regras devem ser afixadas num local visível.

 

³                 Seja inflexível com as regras, mas mostre-se calmo, positivo e optimista.

 

³                 Algumas crianças gostam de levar brinquedos para a sala de aula. Evite proibir que levem brinquedos, mas limite a sua utilização a espaços e tempos especialmente destinados para o efeito. Evite que os brinquedos estejam visíveis na secretária do aluno durante os momentos de exposição de matéria e de estudo.

 

 

...A Atenção...

 

 

³                 Sempre que falar com o aluno utilize linguagem clara, mantenha contacto ocular associado a manifestações de incentivo e carinho e procure sempre saber se está ser compreendido.  

 

³                 Certifique-se que o aluno compreendeu as instruções ou explicações, pedindo-lhe que repita o que acabou de ouvir. A repetição das instruções deve ser solicitada em fases iniciais do tratamento, sendo aconselhável que o professor deixe de fazer este pedido à criança com o passar do tempo, para aumentar a autonomia.

 

³                 Sugira ao aluno que fale sobre o que está a fazer no momento, para aumentar o seu período de atenção.

 

³                 Encoraje o aluno a sublinhar as palavras-chave das instruções.

 

³                 Durante a exposição de matéria diga frases como “isto é importante” e altere o tom de voz.

 

³                 Desloque-se na sala de aula enquanto expõe a matéria.

 

³                 Procure sentar o aluno na primeira fila, de costas para a maior parte dos restantes alunos, para se distrair menos. Também pode sentá-lo perto de alunos sossegados, que sejam bons exemplos de comportamento.

 

³                 Sente-o longe da janela e de outras fontes de distracção (como um aparelho de ar condicionado que faz ruído, um local de passagem frequente, etc.). Depois de escolher o lugar, evite fazer mais mudanças.

 

³                 Elabore listas de actividades e destaque aquelas que exigem mais atenção, informando previamente o aluno de quando terá que as realizar.

 

³                 A criança com DHDA tem tendência a perder a capacidade de concentração ao longo do dia. Sempre que possível, escolha a parte da manhã para sugerir as actividades que exigem mais concentração.

 

³                 Procure informar-se se o aluno está a tomar medicação. Procure saber em que períodos do dia o medicamento produz maior efeito e aproveite esses momentos para fazer ao aluno pedidos mais exigentes.

 

³                 Existem tarefas que podem ajudar no desenvolvimento da atenção e concentração, tais como discriminação visual de estímulos gráficos, exercícios de completamento de frases, ordenação de séries, procura de sinónimos, labirintos e puzzles.

 

 

...A Prevenção...

 

 

³                 Lembre-se que o comportamento da criança hiperactiva pode piorar quando ela é superestimulada. A melhor maneira de lidar com o caos na sala de aula é preveni-lo antes que aconteça.

 

³                 A criança com DHDA tem dificuldade em adaptar-se à mudança. O professor deverá criar algumas rotinas durante as aulas, para diminuir ao máximo a existência de mudanças. O estabelecimento de rotinas e o aviso prévio de mudanças nas rotinas podem ser benéficos para estas crianças.

 

³                 Uma vez iniciada a aula, é importante pôr a turma rapidamente activa, de modo a focalizar logo a atenção nas actividades propostas e evitar que se dispersem.

 

³                 Procure prevenir a ocorrência de problemas fazendo contratos, aconselhando, recordando atitudes a tomar, recordando recompensas ou castigos.

 

³                 Explique claramente o que o aluno não pode fazer na sala de aula e evite múltiplas ordens.

 

³                 Coloque linhas desenhadas no chão da sala de aula com o percurso do sentido da circulação, de forma a impedir que o aluno faça "passeios" pela sala antes de se sentar no seu lugar.

 

³                 Permita que o aluno saia da sala de aula por uns momentos e dê-lhe oportunidade de se movimentar antes de incomodar os outros alunos. Ajude a desenvolver a auto-observação e o auto-controlo.

 

³                 Mantenha na sala “cantinhos” onde os alunos possam fazer trabalhos manuais ou actividades artísticas.

 

 

...A Recompensa e a Penalização...

 

 

³                 Para conseguirem aprender bem, os hiperactivos necessitam inicialmente de reforço sistemático. No entanto, tenha em atenção que o excesso de reforço pode distrair a criança da tarefa.

 

³                 Procure dar feed-back correctivo imediato, dando recompensas ou multas logo após o comportamento do aluno. Sempre que o aluno tiver um comportamento menos adequado avise apenas uma vez. Se o aluno continuar, aplique imediatamente o castigo que tinha sido estabelecido.

 

³                 Evite demorar muito tempo a devolver os resultados das avaliações aos alunos e corrija sempre os trabalhos de casa. Ofereça reforço positivo ou negativo imediato, conforme o resultado da avaliação.

 

³                 Procure saber quais os reforços mais adequados para cada aluno através da recolha de informação (entrevistas ou questionários aos pais e à criança). Organize depois hierarquicamente esses reforços.

 

³                 As recompensas, que devem ser variadas, podem ser materiais (bonecas, material didáctico, jogos, visitar um museu, ir ao cinema) ou não, podendo recorrer a recompensas de natureza psicológica, afectiva ou social (acenar com a cabeça, dizer que está bem, sorrir). É aconselhável começar por recompensas materiais, passando progressivamente aos reforços psicológicos.

 

³                 Escolha carimbos, autocolantes, cartões ou gráficos de pontos e procure associá-los ao bom comportamento. Explique ao aluno que após uma determinada quantidade e período de tempo serão trocados por algum objecto que ele deseje. Elabore uma lista com os comportamentos, os símbolos a que estes comportamentos correspondam e prémios associados.

 

³                 Organize mapas em que são registados os comportamentos da criança, com símbolos diferentes para os comportamentos adequados e os comportamentos menos adequados. Substitua, no fim de cada semana ou mês, os símbolos por recompensas ou multas. Assinale os progressos e comunique-os à família.

 

³                 Faça elogios. Os elogios devem ser claros e referir-se especificamente ao comportamento do aluno (é mais eficaz dizer “fizeste uma composição muito original” do que “muito bem”).

 

³                 Inclua toda a turma neste sistema de recompensas e penalizações e atribua prémios de grupo, ou seja, permita que o bom comportamento de todos os elementos da turma corresponda a um prémio, ou o mau comportamento de um (ou mais) elementos da turma corresponda à perda de pontos (ou penalização) de todo o grupo. Este modo de proceder incentiva as outras crianças a envolver-se na ajuda de quem tem comportamentos disruptivos.

 

³                 Deve evitar-se o mais possível o recurso a castigos desnecessários ou injustificados. Prefira ignorar os comportamentos menos adequados quando estes não são demasiado graves. Saiba distinguir entre comportamentos com consequências graves (que não poderá tolerar) de comportamentos menos importantes. Ajude o aluno a fazer esta distinção.

 

³                 Sempre que o aluno fizer algo errado, encontre formas discretas de lhe explicar o que fez mal e o que deveria ter feito, evitando humilhá-lo em frente de outras pessoas.

 

³                 Reforce não só os bons resultados mas também o esforço que o aluno empregou para os atingir.

 

 

...A Organização...

 

 

³                 Reconheça que a desorganização é uma das principais características da DHDA.

 

³                 Procure implementar e promover a criação de estratégias de estudo, ensinando o aluno a estudar e a organizar conhecimentos. Ensine-o a tomar notas, procurar informação, recolhê-la e organizá-la.

 

³                 Ensine o aluno a fazer resumos e a realçar a parte mais importante de cada matéria. Ajude-o a distinguir entre o que é realmente importante e o que não necessita de ficar retido na memória.

 

³                 Anuncie no início de cada aula o que vai fazer, escrevendo no quadro o programa de actividades da aula.

 

³                 Faça listas com as actividades que a criança terá que realizar e coloque-as num local bem visível.

 

³                 Permita que o aluno coloque um relógio na sua secretária, para poder controlar o tempo que demorar a fazer as tarefas.

 

³                 Promova o cumprimento de horários, premiando o aluno sempre que ele termina as tarefas a tempo.

 

³                 Procure dividir as tarefas em pequenas etapas e sugira que seja feita uma etapa de cada vez. Proponha tarefas de curta duração e bem definidas.

 

³                 Sugira que os alunos verifiquem o trabalho depois de concluído. Esta verificação deve fazer parte da rotina. Dê tempo extra aos alunos para verificarem o trabalho.