Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Alguns Caminhos da Arte Plástica na Escola de Educação Especial

 

Definição/Utilidades

 

A arte plástica consiste na utilização de materiais, tais como: madeiras, mosaicos, papeis, tecidos, tintas, entre outros como forma de reforço ou complemento às matérias escolares, ajudando as crianças e jovens com distúrbios mentais e perturbações emocionais a desenvolverem de uma forma geral o nível motor, a socialização, a criatividade, a autonomia, etc.

 

Esta área pode ser utilizada por professores, educadores, técnicos ou monitores de oficinas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, entre outros.

 

De uma forma geral, poderão ser desenvolvidos na sala de aula ou em gabinetes próprios criados para o efeito, trabalhos ao nível da pintura, desenho, escultura, fotografia, etc.

 

A arte plástica pode auxiliar:

 

-Na reabilitação (física e mental);

 

-Na expressão de sentimentos e sensações (por exemplo: para crianças que não se conseguem expressar por palavras);

 

-Elevar a motricidade geral (através do desenho, pintura, colagens, corte, etc.);

 

-Desenvolver o sentido estético (preocupação pela beleza e estética);

 

-Aumentar a capacidade criadora (desenvolvendo a imaginação);

 

-Proporcionar a cooperação com os colegas (o trabalho de grupo e a entre – ajuda );

 

-Elevar a autonomia (pessoal e social);

 

-Etc.

 

A arte plástica pode ser desenvolvida por professores; educadores e outros funcionários nas salas de aula através de actividades de Expressão e Educação Plástica; em locais próprios criados para o efeito especializados ou não numa área (exemplo: oficina das madeiras; complemento de expressão plástica, atelier de pintura, etc.) vocacionados para o trabalho de um ou mais materiais.

 

Pode ainda, ser utilizada como terapia nos Gabinetes Técnico Especializados, como forma de auxílio ao trabalho realizado ao nível da Psicologia, Psicomotricidade, Terapia da Fala e Terapia Ocupacional.

 

Relação: Arte Plástica – Pré-Formação

(Oficina/Loja)

 

A um nível mais avançado, podemos considerar necessário a criação de espaços de estágio, que respondam às necessidades dos alunos (tendo em conta a sua idade e evolução de conhecimentos) – a criação de uma oficina.

 

Nessa oficina poderão ser desenvolvidos por exemplo, trabalhos ao nível da produção (especializando-se num ou em vários materiais, tais como madeira, mosaico, cerâmica, etc.) e ao nível da manutenção (com vista à reparação e restauro de objectos).

 

Neste nível podemos elaborar um projecto de Pré-Formação ou de Estágio para cada aluno, delineando as competências, metas e objectivos básicos a atingir.

 

Numa fase posterior poderá pensar-se numa integração profissional no exterior (através de protocolos com empresas envolventes à escola) ou no interior da instituição (integração profissional na oficina da escola).

 

Inclusivamente na própria instituição ou escola pode ser criado um espaço onde sejam comercializados os produtos produzidos na oficina – Loja – proporcionado Pré-Formações e estágios na área de atendimento ao público. Nessa loja podem efectuar-se também trabalhos de manutenção e reparação (prestação de serviços) abertos à comunidade envolvente.

 

Para isto é necessário que existia na escola ou instituição uma estrutura sólida bem organizada, de forma a proporcionar aprendizagens em segurança e com responsabilidade.

 

Fases no Processo Ensino – Aprendizagem

 

Esta área (artes plásticas) parece dividir-se em 3 fases distintas no processo de ensino – aprendizagem:

 

uma 1ª fase de estimulação, onde a criança ou jovem passa por uma fase de estimulação e exploração de diversos materiais, com o objectivo de evidenciar os seus gostos e motivações, assim como manipular materiais e elevar a sua criatividade.

 

Numa 2ª fase podemos oferecer ao aluno a aquisição de competências básicas gerais, proporcionando-lhe uma diversidade de técnicas em diferentes materiais (com o objectivo de elevar o nível de conhecimento geral nestas matérias).

 

Numa 3ª fase, tendo em conta as preferências, desembaraço e desempenho do aluno, podemos encaminha-lo para uma especialização numa área específica.

 

A arte plástica, como área de expressão aliada às restantes áreas abordadas na escola (como a Educação Física, Língua Portuguesa, Matemática, Expressão Musical, etc.) possibilitarão na criança / jovem com Necessidades Educativas Especiais um desenvolvimento mais harmonioso e coerente, auxiliando a sua evolução ao nível cognitivo, motor e sócio-afectivo.

 

Autoria: Prof. Pedro Santos

Data: 2003