Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Fonoaudiologia

O fonoaudiólogo trabalha principalmente em:

  • Hospitais de reabilitação.
  • Clínicas particulares.
  • Escolas para surdos.
  • Escolas para excepcionais em geral.
  • Escolas comuns e pré-primárias.
  • Cursos de oratória.
  • Dicção e impostação de voz.
  • Grupos de teatro.
  • Conservatórios musicais.
  • Casas comerciais de próteses auditivas.
  • Campanhas contra a poluição sonora.

A Fonoaudiologia abrange vários sectores:

  • Preventiva: orienta pais e professores a se atentarem mais à linguagem e a audição de suas crianças, principalmente em idade escolar.
  • Terapêutica: realização de terapias fonoaudiológicas para adequação dos problemas de comunicação oral, escrita, voz e audição.
  • Estética: aperfeiçoamento dos padrões da fala e da voz.
  • Educacional: estuda os processos de aquisição da linguagem escrita pelo aluno, e orienta o comportamento verbal do professor, relacionado principalmente à voz.
  • Industrial: controla a capacidade auditiva de trabalhadores expostos diariamente à ruídos.

A prática da fonoaudiologia não se faz somente através de medicamentos ou cirurgias, mas também através de terapias específicas para cada tipo de patologia fonoaudiológica. Exercendo-se através de estudos, exercícios e treinamentos.

A fonoaudiologia utiliza dados e conclusões de várias outras ciências autónomas e auxiliares como a:

  • Biologia
  • Psicologia
  • Sociologia
  • Filosofia
  • Física
  • Fonética
  • Linguística

Sinais de alerta:


Normal:

Crianças que possuem todos os fonemas da fala até os 04 anos e ½.

Crianças que começam a falar a partir de 01 ano palavras simples, e que com 02 anos e ½ formam frases.


Crianças, adolescentes ou adultos que apresentam uma voz rouca após um esforço vocal grande , mas que seja uma rouquidão passageira.


recém-nascidos que reagem a estímulos sonoros, e bebés que a partir do 4º mês localizam a fonte sonora.


Crianças em idade escolar que apresentem trocas de letras em decorrência de erros gramaticais (s->z ; ch->x ; j->g ; ss->s ; l->u ; q->g).


Crianças com dificuldade no conteúdo das matérias escolares.

Indivíduos que apresentam bloqueios na fala, tremulações na voz, mais comuns em momentos de se falar em público.

 

Anormal:

 

Uma criança que tenha mais de 04 anos e ½ , um adolescente ou até mesmo um adulto que gagueje ou que apresente bloqueios no inicio ou meio de frases ou palavras.


Crianças com 05 anos que troquem, ou substituem fonemas na fala ("Falam Errado").


Crianças que até 02 anos apresentem fala inteligível ou que com 03 anos não formulem frases.


Crianças, adolescentes ou adultos que apresentam uma rouquidão permanente que piora após um esforço vocal.


Recém-nascidos que não reagem a estímulos sonoros e bebés que não localizam a fonte sonora.


Crianças em idade escolar que apresentem trocas de letras em decorrência de erros fonoaudio lógicos (p->b ; t->d ; f->v ; c->g).


Crianças que apresentam dificuldades em se concentrar, de atenção, de interpretação e de memorização das matérias escolares.


Indivíduos com sérios problemas de articulação, onde quase não se entende o que é dito. Que usam muitos gestos para se expressar, ou que falam muito rápido, este quadro se agrava em momentos de fala em público.

 


Valéria Dias Duarte – Fonoaudióloga - Brasil

Intercâmbio do Conhecimento

 


 

 

 

 

 

 


 

11 comentários

comentar artigo

Pág. 1/2