Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Portugal

EFEITOS BENÉFICOS DAS ACTIVIDADES AQUÁTICAS PARA AS CRIANÇAS/JOVENS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA


Abordagem histórica

Muito se tem falado acerca dos efeitos benéficos das actividades aquáticas para pessoas portadoras de deficiência, mas a verdade é que desde os tempos da Grécia antiga se utiliza a água na reabilitação - os gregos e os romanos já utilizavam a água corrente para a cura de doenças. Nos Estados Unidos, a actividade na água como terapia iniciou-se antes da 1ª Guerra Mundial, sendo utilizada para indivíduos com problemas reumáticos. Charles Lowman foi considerado o pai dos exercícios aquáticos como terapia e sistematizou a hidroterapia por volta de 1930. Depois da 2ª Guerra Mundial, a água foi utilizada como elemento terapêutico para traumáticos e amputados, bem como para soldados com problemas psicológicos.

 

Pertinência

A natação para pessoas portadoras de deficiência pode ser compreendida como a capacidade do indivíduo em dominar a água, deslocando-se de forma independente e segura sob e sobre a água utilizando, para isto, toda sua capacidade funcional, residual e respeitando suas limitações. A água apresenta propriedades que facilitam ao indivíduo a sua locomoção sem grande esforço, pois sua propriedade de sustentação e eliminação quase que total da força da gravidade, podem aliviar a tensão das articulações que sustentam o peso do corpo, auxiliando no equilíbrio estático e dinâmico e propiciando desta forma maior facilidade de execução de movimentos que, em terra seriam muito difíceis ou impossíveis de serem realizados.

 

Benefícios fisiológicos

Quando o corpo está exposto a um estímulo frio, como a água fria, os vasos contraem-se, evitando que seja libertado calor interno, contudo, se o estímulo de calor é maior que a temperatura interna, há uma dilatação dos vasos para que o calor seja liberado e a temperatura se mantenha em equilíbrio.

A água apresenta uma grande influência no sistema circulatório, uma vez que a pressão e a resistência exercidas pela água sobre o corpo, juntamente com esforço exigido na execução dos movimentos agem directamente sobre o sistema - provocando o aumento do metabolismo, promovendo o fortalecimento cardíaco, o aumento do volume do coração e uma consequente melhoria no sistema circulatório. Ao nível do sistema respiratório provocará o fortalecimento dos músculos respiratórios, assim como o aumento do volume máximo respiratório e também na elasticidade da caixa torácica.

Quando falamos de pessoas portadoras de deficiência, juntamente com a grande dificuldade de equilíbrio e desenvolvimento da marcha, as características peculiares da água como alta viscosidade, espessura, eliminação da gravidade contribuem para a realização de exercícios de educação e/ou reeducação motora, proporcionando-lhes maior segurança na execução dos movimentos.

 

Benefícios sócio-afectivos

As actividades aquáticas são um processo de aprendizagem de socialização que assentam numa base de progressão pedagógica, ou seja, inicialmente o aluno deverá relacionar-se com a água, depois com ele próprio e por último, o indivíduo interagindo com o grupo.

As actividades aquáticas devem propiciar ao indivíduo situações de desenvolvimento de actividades em pequenos e grandes grupos, estimulando assim as experiências corporais, a integração e o convívio social.

O aspecto psicológico, o efeito na melhoria do humor e na motivação em pessoas portadoras de deficiência é altamente significativo através da natação, assim como a possibilidade de descarregar as tensões psíquicas através do poder de relaxamento da água.

 

Benefícios cognitivos

Os aspectos motivadores e as propriedades terapêuticas da água estimulam o desenvolvimento da aprendizagem cognitiva e o poder de concentração, pois o aluno tenta compreender o movimento do seu próprio corpo e explorar as várias formas possíveis de movimento - adaptando as suas limitações às propriedades da água.

Muitos professores realizam actividades motoras na água com utilização de conteúdos de aprendizagem escolar – reforçando desta forma o aspecto cognitivo das crianças, por exemplo: contar, mergulhar objectos de formas e cores diferentes, entre outras.

 

Efeitos terapêuticos

Podemos conseguir os seguintes efeitos através de exercícios na água, considerando os vários tipos de deficiências: Diminuição de espasmos e relaxamento muscular; Alívio da dor muscular e articular; Manutenção ou aumento da amplitude do movimento articular; Fortalecimento e aumento da resistência muscular localizada; Melhoria circulatória e na elasticidade da pele; Melhoria no equilíbrio estático e dinâmico; Relaxamento dos órgãos de sustentação (coluna vertebral) Melhoria da postura; Melhoria da orientação espaço/tempo.

 

Conclusões

As actividades aquáticas ou o movimento de nadar, significam para o portador de deficiência um momento de liberdade – momento este, em que consegue movimentar-se livremente sem auxílio de qualquer apoio (muletas, próteses ou cadeiras de rodas).

O movimento livre facilita a possibilidade de experimentar as suas potencialidades, de conhecer e adaptar-se às suas limitações, isto é, conhecer-se a si próprio, confrontar-se consigo mesmo.

 

“Quando o aluno descobre as suas potencialidades, apesar das suas limitações, descobrindo sua capacidade de se movimentar na água, sem auxílio – inicia o seu prazer em desfrutar a água, cresce a sua auto-estima, aumenta a sua auto-confiança e consequentemente sua independência.”

 

As actividades aquáticas devem ser vistas como um factor de desenvolvimento global – ao nível fisiológico, psicossocial e cognitivo.

 

Com a colaboração: GIPEE - Gabinete de Intervenção Psicomotora em Educação Especial

Web: http://gipee.no.comunidades.net/