Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

educação diferente

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

educação diferente

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

A Viagem do Senhor Down pelo Mundo da Hipoterapia: Estudo experimental com crianças com Síndrome de Down

Resumo

Considerámos importante realizar um estudo onde fosse possível avaliar os benefícios da Hipoterapia no desenvolvimento Infantil de crianças com Síndrome de Down. Para estudarmos o desenvolvimento infantil, decidimos aplicar um instrumento que nos permite avaliar áreas distintas do desenvolvimento, nomeadamente a área locomotora, o desenvolvimento pessoal/social, a área auditiva e linguagem, a coordenação olho/mão e a área relacionada com o raciocínio prático. Após duas aplicações com um período distinto de quatro meses, através desta investigação verificam-se benefícios no desenvolvimento destas crianças devido à prática de Hipoterapia.

  1. Introdução

O desenvolvimento da criança com Síndrome de Down:

O termo desenvolvimento segundo Vayer e Roncin (1988), “ (…) tem um significado geral de crescimento, de progresso, de desabrochamento. Aplicado à evolução da criança, significa que quando a observamos no tempo constatamos um crescimento das estruturas somáticas, um aumento das possibilidades pessoais de agir sobre o ambiente e por conseguinte, progressos nas capacidades de compreender e se fazer compreender (…)” (p.15).

Quando nasce uma criança com Síndroma de Down, os médicos são peremtórios em dizer que não se pode prever os seus progressos. Tudo depende… é muito comum a existência de comentários e discussões acerca da proveniência e do desenvolvimento das capacidades dos indivíduos. É inato?... É adquirido?... Quando a criança nasce com uma deficiência muito facilmente as “responsabilidades” recaem no que é genético, ou por vezes em explicações ambientais que produzem tais efeitos negativos.

Para Golebski, Oliveira e Tralli, (1990) “O Síndroma de Down é essencialmente um atraso do desenvolvimento. Tanto do corpo como das funções mentais” (p.17). O desenvolvimento destas crianças percorre as linhas do desenvolvimento “normal”. Apesar das suas particularidades, acabam por atingir todas as etapas, sendo capazes de “…aprender: sorrir, andar, balbuciar, correr e falar, apenas com um pouco de atraso “ ( Golebski, Oliveira e Tralli, 1990, p.17)

Pimentel (1997), cita os trabalhos de Fisher (1988), que referem a existência de défices a vários níveis do desenvolvimento, ao nível da cognição, afeto, contato visual, atenção, competências linguísticas, mas o maior atraso é manifesto ao nível da comunicação.

A criança com Síndroma de Down não dispõe de um mecanismo de estruturas mentais para a adequada assimilação do mundo percetivo daí, que qualquer aprendizagem percetiva deve realizar-se através do maior número de vias sensitivas.

  1. A prática de Hipoterapia em crianças com Síndrome de Down

" Os portadores de deficiência mental necessitam de estímulos ambientais mais fortes, para activar e actualizar os seus potenciais em desenvolvimento ". Picq (1969: in Isoni, 2002, p.86) desta forma " a Hipoterapia é um método de intervenção terapêutica global e analítico, extremamente rico, que engloba o indivíduo no seu complexo psicossomático, quer seja praticado com deficientes físicos ou mentais " (Lubersac e Lallery, 1973,p.3), pois "(…) exige a participação do corpo inteiro contribuindo para o desenvolvimento muscular, o relaxamento, a consciencialização do próprio corpo e o aperfeiçoamento da coordenação e do equilíbrio " ( Miranda, 2000, p.86 ).

Segundo Santiago e Santos, (1997) na Hipoterapia o movimento cadenciado do cavalo educa a mente e predispõe o portador de necessidades especiais a novas atitudes, maior atenção, melhor equilíbrio e coordenação. “ (…) Através da experiência viva e vivida com o cavalo a pessoa pode criar para si vários motivos para começar, continuar, modificar, aumentar ou permanecer na sua trajectória única e intransferível da arte de viver(…). " Opa ( in Cudo, 2002, p. 92). 

  1. Metodologia

3.1 Formulação do Problema

Este estudo experimental, o qual foi desenhado para verificar hipóteses de causalidade, sendo um termo chave deste método o controlo, pretende verificar se:

A Hipoterapia traz benefícios ao nível do desenvolvimento infantil para as crianças com Síndrome de Down?

Desta forma a variável independente, (a Hipoterapia), foi manipulada com vista a verificar o impato que tal manipulação teve sobre a variável dependente (o desenvolvimento infantil de crianças com síndrome de Down submetidas à Hipoterapia, e crianças com síndrome de Down não submetidas à Hipoterapia).

3.2 Amostra

A amostra é composta por 12 crianças, com idades de 5, 7 e 8 anos com Síndroma de Down, 6 delas praticam Hipoterapia duas vezes por semana com sessões de 30 minutos. Tendo sido acompanhadas pela equipa interdisciplinar do Centro, bem como da Instituição a que pertenciam. O grupo de controlo, composto por 6 crianças com o mesmo diagnóstico do grupo de estudo pertence há mesma Instituição, este grupo não é submetido à prática de Hipoterapia, tendo apenas por atividades e terapêuticas as respeitantes à própria Instituição.

Procedimento e recolha de dados

Foram marcados dias para a aplicação do instrumento de avaliação no qual se explicou aos pais qual o objetivo da presente investigação. Explicando que o primeiro momento de avaliação seria antes da prática de Hipoterapia e o segundo após 4 meses de prática da mesma, correspondendo esta periodicidade a 30 sessões. Também para as crianças do grupo de controlo existiram dois momentos na aplicação do instrumento de avaliação, para que pudéssemos obter uma fiabilidade nos resultados. Após a realização das provas pelos dois grupos (experimental e de controlo), procedeu-se à cotação individual de cada escala de acordo com os procedimentos previstos no manual da Griffiths (instrumento de avaliação).

3.4 Instrumento de Avaliação: Escala de Desenvolvimento mental de Ruth Griffiths

“ As escalas procuram satisfazer um interesse prático que sirva fundamentalmente para estruturar e planificar as sessões pedagógicas, na medida em que perspectivam as aquisições motoras, perceptivo-motoras e psicomotoras para graus de dificuldade, constituindo, por esse motivo, um curriculum evolutivo no domínio psicomotor do comportamento humano” (Fonseca, 1989, p.34).

A escala de Desenvolvimento Mental de Ruth Griffiths (Griffiths development scales), enquadra-se no grupo dos testes de desenvolvimento e representa a base de qualquer diagnóstico infantil, auxiliando a situar o desenvolvimento da criança relativamente às medidas previamente calculadas e standartizadas para as crianças com a mesma idade cronológica. Sendo a nossa amostra constituída por crianças entre os 5 e os 8 anos de idade, foi aplicada a escala de desenvolvimento da Griffiths destinada a crianças dos 2 aos 8 anos inclui 6 sub-escalas de avaliação: Sub-escala A, Locomotora ; Sub-escala B, Pessoal/social ; Sub-escala C, Audição e Fala; A sub-escala D, Coordenação óculo-motora, Sub-escala E, Realização; Sub-escala F, Raciocínio prático

  1. Tratamento estatístico

O programa de estatística utilizado para efetuar o tratamento dos dados foi o SPSS 12.0. Dada a amostra ser de reduzida dimensão optou-se pelo uso de estatística não paramétrica, os testes utilizados foram: Análise Intra-Grupal - Teste Wilcoxon: Teste Não paramétrico de comparação de duas amostras dependentes. Este teste foi utilizado com o objetivo de comparar, dentro de cada grupo (experimental e de controle), os resultados apresentados na primeira e na segunda aplicação nos diferentes domínios da escala de desenvolvimento mental.  Neste caso as duas amostras dependentes são as duas aplicações.

Análise Inter Grupal - Teste Mann-Whitney : Teste Não paramétrico que permite a comparação de dois grupos (2 amostras independentes).  Este teste foi utilizado com o propósito de comparar grupo experimental e grupo de controle nos resultados apresentados nos diferentes domínios da escala de desenvolvimento mental na primeira e na segunda aplicação.

  1. Discussão dos Resultados

O tratamento de dados, obtidos através da Escala de Desenvolvimento Mental de Ruth Griffiths, demonstra a influência da Hipoterapia no desenvolvimento da criança com Síndroma de Down.

Quando analisados o Grupo de Controle e o Grupo Experimental, verificamos que na primeira aplicação da prova não existem diferenças significativas nos dois grupos. Tal facto pode ter ocorrido devido a estarem ambas a frequentarem a mesma instituição onde a estimulação e o tipo de aprendizagem que adquirem são idênticas, apesar de todas terem caraterísticas muito próprias no que concerne ao desenvolvimento.

Seguidamente analisamos o Grupo Experimental e Grupo de Controle de forma a constatar as alterações que ocorreram ao nível do desenvolvimento através das duas aplicações da Escala de Desenvolvimento Mental de Ruth Griffiths, com um espaço entre as aplicações de quatro meses.

No que respeita ao grupo experimental podemos verificar que existe um desenvolvimento significativo em três áreas, nomeadamente a de realização, audição e linguagem e pessoal/social, o que nos leva a confirmar que a Hipoterapia traz benefícios para o desenvolvimento das crianças com Síndroma de Down.

No que respeita à linguagem a evolução da criança com síndroma de Down nas questões relacionadas com a integração, autonomia pessoal e social, estão dependentes, em grande medida, da aquisição e evolução da linguagem. Sabendo que estas crianças têm dificuldade em tudo o que requer uma operação mental de abstração assim como toda a operação de síntese, dificuldade na organização do pensamento, da frase, na aquisição de vocabulário e na estruturação morfosintáctica. Assim sendo a linguagem nestas crianças sofre um atraso considerável, quando comparada com outras áreas de desenvolvimento. ( Zearman, (1963) ; Horse (1963); Furby (1974); Pimentel, (1997); Fisher, (1988) ).

Sabemos que normalmente para comunicarem utilizam a comunicação gestual no discurso declarativo e imperativo, desta forma as dificuldades de linguagem condicionam as possibilidades de integração social e sucesso educativo.O nível expressivo de uma criança com Down é afetado frequentemente pelos seguintes factores: dificuldades respiratórias, transtornos fonatórios, (implicando alterações no timbre de voz). Bem como os transtornos auditivos nos quais os estudos indicam uma incidência de perdas auditivas que varia de ligeiras a moderadas.

Partindo do princípio que estas crianças não dispõem de um mecanismo de estruturas mentais para a adequada assimilação do mundo percetivo, qualquer aprendizagem percetiva deve realizar-se através do maior número de vias sensitivas e a Hipoterapia revelou-se uma terapia que acede a este tipo de exigências. (Alves, 2002; Medeiros, 2002; Furby, 1974; Zearman, 1973; Malta e Dias, 2002; Trancozo, 2002) - Com esta prática, constatamos que a criança com Síndroma de  Down consegue selecionar, recolher e usar com precisão estímulos pertinentes para cada momento.

Contudo foi necessário recorrer a um amplo reportório de atividades para que, existisse frequentemente uma mudança das tarefas, evitando assim, o desinteresse e possibilitando a generalização dos processos de atenção nas diversas situações, tais como o cantar quando estava em cima do cavalo, bem como os técnicos que acompanharam as crianças na sessão estimularam a criança no sentido de verbalizar o que sentia, como tinha sido a sua semana, entre outros aspetos.

Manifestando muitas vezes alegria na execução de tarefas, e de exercícios que lhe eram pedidos, esta alegria transformou a seriedade da terapia numa sessão em que o aspeto lúdico predominou e a vontade de traduzir os sentimentos em palavras ou sons, ocorresse para demonstrar o seu mais nobre momento: o de comunicação com o meio ambiente, com os interlocutores, consigo próprio ou até como forma de agradecimento ao animal. (Opa, 2002; Trancozo, 2002; Medeiros, 2002). Por ser um trabalho ao ar livre, num ambiente onde o praticante está intimamente ligado à natureza, e ainda, montado num animal que é superior em porte e altura, podendo comandá-lo, as perceções olfativas e auditivas são estimuladas junto desta. (Edwards, 1994)

O relinchar do cavalo, a buzina da “galera”, o som da ferradura do animal, o som da respiração do cavalo, o mastigar, assim como os cheiros dos estrumes, da comida, do remédio, são mostrados ao praticante todas as funções inteletuais como memória, atenção, análise e síntese, organização do pensamento, orientação e organização espacial e temporal, coordenação visual / motora estão a ser estimulados perante qualquer exercício. (Pittoli, 2002; Opa, 2002; Papalia e Olds, 2000; Denney, 1972; Rayner, 1978).

Através da Hipoterapia podemos também confirmar os benefícios que esta desenvolve na área da realização. Verificamos que estas crianças especiais demonstram algumas dificuldades em criar a partir do conhecimento recentemente adquirido, ou seja, se elas aprendem a realizar determinadas tarefas e o conhecimento não ficar apreendido, posteriormente vai parecer-nos que simplesmente já não existe, podendo acontecer que no momento em que colocarmos os seus conhecimentos novamente à prova, elas parecem ter-se esquecido da forma como o fez. Daí que a tendência seja para que apresentem performances mais baixas, em muitas situações (Snyder, 1977, e Siegel, 1979, citados por Wishard e Duffy Morato, 1995).

Certamente que estas condições vão levar a que muitas destas crianças apresentem comportamentos de evitamento como resposta a situações em que revelam maior dificuldade. Assim sendo este é um factor que se assume como uma barreira à aprendizagem. Contudo este facto por si só não é explicativo, visto que temos de ter em conta que as crianças com Síndrome de Down apresentam desde uma idade muito precoce, um declínio progressivo do nível do funcionamento inteletual, ao contrário de outras deficiências mentais, onde este declínio apenas começa a surgir em idades mais avançadas ( Gun e Berry, 1989).

Assim as atividades da sessão seguiram uma sequência manipulativa e vivencial onde a aprendizagem começou pela vivência e/ou manipulação operativa do conceito/movimento, verbalização sobre os movimentos realizados, com o fim de facilitar a representação simbólica de movimento ou conceito. Ou seja, a capacidade de utilizar símbolos, ou representações mentais, (palavras, números ou imagens) aos quais atribui algum significado, dá-nos conta que estas crianças podem pensar sobre algo sem que seja necessário que o estejam a visualizar e assim podem resolver problemas concretos. (Piaget, 1973; Piaget, 1986).           

Todos os aspetos trabalhados serviram para que a criança obtivesse ganhos nesta área que implicitamente se envolveram com outros aspetos da sua vida, ou seja, devido a frequentarem uma Escola básica de 1º Ciclo, estas crianças têm de adquirir determinadas competências. Visto que a aprendizagem é realizada em torno de um contínuo e apesar de na sessão de Hipoterapia a criança ser tratada sem a existência de preconceitos, muitas vezes o que acontece é que no ensino normal estas crianças sentem que são rejeitadas o que faz com que resistam à aprendizagem porque não conseguem acompanhar os seus colegas e apercebem-se de tal facto. A Hipoterapia auxilia esta adaptação  e nas atividades de realização, onde se verificam benefícios para a criança com esta Síndrome.

Também na área pessoal / social são comprovados os benefícios para estas crianças. A aquisição da motricidade fina, bem como a eliminação de hábitos mal adquiridos e a aquisição de comportamentos sociais que podem facilitar a sua integração na sociedade, estão implícitos na Hipoterapia. A partir do momento em que uma pessoa se descobre como integrante do mundo, ela tem grandes possibilidades de ocupar esse mundo de forma mais harmónica e consciente. (Ribeiro, 2002; Faria e Costa, 2001)

Através da prática da Hipoterapia, a criança ganha um impulso em expandir-se, estender-se, tornar-se mais autónomo, desenvolver-se, amadurecer e ativar todas as capacidades do organismo (Carecho, 2002). Desta forma a Hipoterapia tem em atenção o estímulo de sensações e perceções que incrementam o afeto, acorda o respeito, reforçando as relações simétricas e não complementares, estimula a cooperação, faz com que se revele uma abertura a muitas outras coisas para além de si (desabrochar do “eu”), proporciona uma relação sem juízos de valor, sem julgamentos (autêntica, generosa e espontânea), (Santos e Lopes 2002).

A sessão de Hipoterapia melhora as relações interpessoais, sendo um integrador familiar, culturiza a família e terceiros frente à criança.

Melhora a aceitação da limitação por parte do paciente, modifica a atitude da família sobre as incapacidades do membro doente. (Miranda, 2000; Trancozo, 2002, Carecho, 2002). Todas estas mudanças acabam por inferir na sociabilidade, fazendo com que a criança com Síndroma de Down dê mais valor ao que possui de positivo.

O grupo de pares da criança com Síndroma de Down, é muito diversificado, visto que esta encontra-se numa escola inclusiva, bem como numa Instituição que acolhe crianças com caraterísticas idênticas, nomeadamente necessidades especiais.

Sabemos que o grupo tem diversas funções positivas no desenvolvimento, ajudando as crianças a desenvolverem habilidades sociais, dando-lhes uma sensação de pertença e fortalecendo o auto-conceito. (Papalia e Olds, 2001).

A Hipoterapia auxilia a criança a integrar-se nestes mesmos grupos distintos, trabalhando várias competências, (que foram descritas anteriormente), assim sendo a criança adquiriu conhecimentos quando utilizava diferentes materiais na limpeza do cavalo, no banho do mesmo, na sua alimentação, quando o montava, sendo estimulada no sentido de perceber porque eram importantes estas atividades.

Assim a criança aprende que também ela se deve alimentar sozinha, e ganha vontade e competências para o fazer, visto que consegue alimentar um animal em porte muito superior do que ela e tratar da sua higiene pessoal. (Pitolli, 2002).

Apesar de só serem estatisticamente significativos os resultados obtidos nestas três sub-escalas, e devido ao número da amostra ser muito reduzido, quando no grupo experimental analisamos a olho nu o perfil de desenvolvimento destas crianças, durante a primeira e a segunda aplicação da Escala constatamos que todas as áreas evoluíram apesar de não serem estatisticamente significativas.

No que concerne à área locomotora, olho/mão e raciocínio prático também elas se desenvolveram contudo não foram estatisticamente significativas o que nos remete para causas como o factor tempo, visto que a terapia teve apenas a duração de quatro meses, temos ainda presente outra questão sendo o tamanho diminuto da amostra que pode também ter contribuído para que estas áreas não fossem estatisticamente significativas.

Mas ao analisarmos o perfil de desenvolvimento de cada elementos do grupo experimental, (a olho nu), constatamos que existem diferenças da primeira para a segunda aplicação da Escala. Diferenças estas que podem ser explicadas na área da locomoção devido ao cavalo, com o seu movimento impercetível (mesmo estando parado), a criança está a receber informações que não podem ser transmitidas a estes indivíduos por outro método, ou seja, com o andamento a passo e através de movimentos sequenciados, proporciona em quem está montado sensações por todo o corpo, transmitindo-as para a coluna lombar e regiões pélvicas da criança, duplicando os efeitos que o homem provoca nas mesmas enquanto anda. (Nascimento, 2002; Salama, 2002; Miranda, 2000; Lucena, 2002).

Ao longo da sessão os músculos da criança trabalham de forma simétrica, de forma a que a criança mantenha o equilíbrio e acompanhe os movimentos do cavalo, bem como se possa combater as posições incorretas.

A noção de equilíbrio aparece pouco a pouco, dando ao sujeito cada vez mais confiança no seu corpo e uma grande segurança interna. (Carecho, 2002; Nascimento, 2002; Cudo, 2002; Miranda, 2000; Faria e Costa, 2001). Desta forma a criança organiza determinadas acções que lhe servem como aprendizagem para o movimento global coordenado dos gestos e de outras ações noutros lugares e noutras circunstâncias. Adquirindo também uma postura mais correta, bem como uma marcha onde os músculos trabalham de forma mais coordenada devido a todos os aspetos que se trabalharam ao longo da sessão.

A sub-escala olho/mão também se destaca algum desenvolvimento pois a lateralidade é trabalhada nesta área, ou seja os hemicorpos são trabalhados de forma igual, levando a criança a  integrar os dois lados do corpo, bem como a adquir  a noção de linha média.

A aprendizagem da criança começa assim que o cavalo é distribuído, a criança do lado esquerdo do cavalo, segurar as rédeas com a mão direita e a noção de frente/tráz, de diagonal e de mudança de direção para a direita e para a esquerda, faz com que toda a informação seja interpretada corporalmente. (Miranda, 2002; Santos e Lopes, 2002; Frazão e Peniche, 2002).

No decorrer da sessão trabalha-se a coordenação dinâmica, na qual o factor ocular ocupa um lugar importante, estando implícita uma coordenação entre mãos, braços, pernas, anca, tronco e visão. (Centurini, 2002; Santos, 2002; Miranda, 2002, Santos e Lopes, 2002; Frazão e Peniche, 2002; Santos, 2002). Assim sendo justifica-se também a evolução desta área. No que respeita ao raciocínio prático constatamos uma evolução também ela significativa ao analisar o perfil de desenvolvimento, devido a todas as questões que dizem respeito ao trabalho realizado no decorrer da sessão de Hipoterapia que faz com que a criança se prepare para questões ligadas ao seu dia-a-dia, adaptando-se ao mundo que a rodeia, contudo não podemos esquecer que o desempenho da criança nesta área está relacionada com o domínio fluente da linguagem, (área em que obtemos um desenvolvimento significativo estatisticamente). (Gouveia, Lacerda, Fernandes, Garcia, Oliveira, Carneiro, Freitas e Gomes, 1989).

Relativamente ao Grupo de Controle também este da primeira para a segunda aplicação da Escala de Desenvolvimento Mental de Ruth Griffiths, revelou alguma evolução no desenvolvimento (analisando apenas o perfil de desenvolvimento de cada elemento do grupo), contudo este desenvolvimento não é estatisticamente significativo. Todavia, convém não esquecer que, mesmo dentro dos parâmetros da normalidade o ritmo a que se processa o desenvolvimento infantil não é algo constante e inflexível. Todas as crianças possuem características muito próprias e é delas que depende a rapidez ou lentidão da sua evolução. (Santos ,2002; Hadfield, 1973)

Comparando o Grupo de Controle com o Grupo Experimental comprovamos que a Hipoterapia traz benefícios para as crianças com Síndroma de Down, reconhecendo que esta terapia por si só não funciona mas auxilia a criança no seu processo de desenvolvimento. Sendo então útil que a criança possa ter acompanhamento noutras áreas para que conjuntamente com a Hipoterapia obtenha mais ganhos ao nível do desenvolvimento. Sabemos que as crianças com Síndroma de Down apresentam atrasos em diversas áreas do seu desenvolvimento, tais como a cognição, afecto, contacto visual, modulação do estado de alerta, atenção, competências linguísticas entre outros. Mas mesmo apesar de se verificar uma maior lentidão no desenvolvimento, existe sempre uma expectativa de progresso, bem diferente das expectativas vivenciadas, anteriormente, quer pelos pais ou pelos técnicos.

Sendo completamente colocada de parte a ideia de crianças com Síndroma de Down não educáveis com uma inteligência de origem genética e um nível desenvolvimental inalteráveis, em quem não valia a pena investir. Com este estudo verificamos que as ideias de outros tempos estão erradas. O Psicólogo pode então recorrer à Hipoterapia visto que apresenta resultados com estas crianças ao nível do desenvolvimento.

Referências Bibliográficas

  • Edwards, E. (1994). The ultimate horse. London: Dorling Kindrsley limited.
  • Fonseca, V. (1989). Psiquiatria e psicopatologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Golebski, A.; Oliveira, E. & Tralli, A. (1990). Você não está sozinho: temos um filho especial. São Paulo: Associação de pais e amigos dos excepcionais.
  • Griffiths, R. (s.d.). The psychodiagnostic approach to problems of the very yong foundations of child psyiatry.
  • Lubersac, R. & Lallery, M. (1973). La réeducation par l’équitacion. Paris: Crépin-Leblond.
  • Papalia, D. & Olds, S. (2000) Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed Editora.
  • Piaget, J. (1986). O nascimento da inteligência na criança. Lisboa: Publicações D. Quixote.
  • Santos, F. & Lopes, J. (2002). Pégaso e os anjos, terapia pelo cavalo. Coimbra: Editorial Minerva.
  • Faria, L. & Costa, N. (2001). Contributos da equitação adaptada para a promoção do auto-conceito em portadores de paralisia cerebral. Revista de educação especial e reabilitação, 8 (1), 61-71.
  • Gouveia, R.; Lacerda, N.; Fernandes, M.; Garcia, F.; Oliveira, G.; Carneiro, M.; Freitas, C. & Gomes, C. (1989). Escala de desenvolvimento de Griffiths. Revista portuguesa pediátrica. 20 (1), 151-154.
  • Gunn, P. (1993) Characteristics of Down Syndrome. Down syndrome moving through live, 6 (1), 1-17.
  • Miranda, A. (2000). Hipoterapia. Revista de educação especial e reabilitação, 7 (2), 113-120.
  • Pimentel, S. (1997). Avaliação de crianças com necessidades educativas especiais. Cadernos CEACF. 13 (14), 41-49.
  • Wishard, G. & Duffy, L. (1990). Instability of performance on cognitive test in infants and yong children with Down Syndrome. Br. Journal educational psychology, 60 (1), 10-22.
  • Cudo, C. (Comp.) (2002). A importância da motivação para a vida e como meio facilitador para resgatar a auto-estima. II Congresso Brasileiro de Equoterapia. São Paulo: ANDE.

Áurea Canas Coelho

comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.