Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

educação diferente

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

educação diferente

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

Deficiência Cognitiva

O conceito de deficiência cognitiva é extremamente amplo, e não sempre bem definido. Em termos gerais poderíamos dizer que uma pessoa com deficiência cognitiva esta sujeita a ter maior dificuldade ao executar um ou mais tipos de tarefas mentais do que a pessoa com capacidade mediana. Existem inúmeros tipos de deficiências cognitivas que poderiam ser listados aqui, mas vamos abordar apenas algumas das principais categorias. A maioria das deficiências cognitiva tem como base algum tipo disfunção na biologia ou fisiologia do indivíduo. A ligação entre uma pessoa com relação biológica e os  processos mentais é mais evidente no caso de traumatismos crânio-encefálicos e as doenças genéticas, mas até mesmo as mais sutis deficiências cognitivas têm, freqüentemente, uma base na estrutura química do cérebro.

Uma pessoa com deficiência cognitiva profunda vai precisar de ajuda em quase todos os aspectos da vida diária. Pessoas com uma pequena dificuldade de aprendizagem podem ser capazes de trabalhar adequadamente, apesar da incapacidade, talvez mesmo  até ao ponto em que a deficiência existente nunca seja diagnosticada ou descoberta. É certo que a grande variação entre as capacidades mentais das pessoas com deficiências cognitivas complica um pouco o assunto. De fato, pode legitimamente afirmar de que existe uma grande quantidade de conteúdo da Web que não podem ser acessíveis às pessoas com deficiências cognitivas profundas, não importa o tanto quanto o desenvolvedor possa tentar. Alguns conteúdos podem ser demasiado complexos para determinados públicos-alvos. Isso é inevitável. No entanto, ainda existem algumas coisas que podemos fazer para que os  designers possam aumentar a acessibilidade ao conteúdo da Web para pessoas com deficiências cognitivas menos graves.

Deficiência cognitiva Clínica vs Funcional

Existem pelo menos duas maneiras de classificar deficiências cognitivas: pela incapacidade funcional ou por incapacidade clínica. Diagnósticos clínicos de deficiências cognitivas incluem autismo, Síndrome de Down, traumatismos crânio-encefálicos (TCE), até a  demência. Condições cognitivas menos severas incluem déficit de atenção e desordem (ADD), dislexia (dificuldade em leitura), discalculia (dificuldade com a matemática), e dificuldades de aprendizagem em geral. Diagnósticos clínicos podem ser úteis a partir de uma perspectiva médica para o tratamento, mas para efeitos de acessibilidade web, classificar as deficiências cognitivas por incapacidade funcional é mais útil. Em se tratando de Acessibilidade Web, no caso da deficiência física ou comportamental as causas médicas da deficiência são ignoradas, tendo foco sobre a incidência das habilidades e os desafios resultantes. Algumas das principais categorias dos déficits funcionais e cognitivos incluem deficiência ou dificuldades de:

  1. Memória.
  2. Resolução de problemas.
  3. Atenção.
  4. Compreensão Verbal, de Leitura e Lingüística.
  5. Compreensão Matemática.
  6. Compreensão Visual.

A principal razão pela qual estas deficiências funcionais são mais úteis quando consideramos o fator de Acessibilidade Web é porque elas estão mais diretamente relacionados com as preocupações dos desenvolvedores Web. Dizer para o desenvolvedor que algumas pessoas têm autismo não é muito significativo, a menos que o desenvolvedor saiba que tipos de barreiras uma pessoa com autismo podem ter que enfrentar. Por outro lado, instruindo um desenvolvedor dizendo que algumas pessoas têm dificuldades de compreensão matemática pode ajudar ao dono da obra a ter um novo ponto de vista para abordar este tipo de audiência.

Além disso, diagnósticos clínicos não são mutuamente exclusivos, em termos daquilo que as pessoas enfrentam de dificuldades. Muitas vezes existe considerável sobreposição de deficiências funcionais dentro de um diagnóstico clínico. Uma pessoa com déficit de memória também pode ter dificuldade de atenção ou com a resolução de problemas, por exemplo. Este tipo de sobreposição se encaixa dentro de um modelo médico, mas não é particularmente útil para desenvolvedores Web, que simplesmente precisam saber o que a pessoa pode ou não pode fazer.

Memória

Memória refere-se à capacidade que um usuário tem de recordar o que aprendeu ao longo do tempo. Um modelo comum para explicar a memória envolve os conceitos de memória de trabalho (ou seja, imediata) memória da curto prazo, e memória de longa prazo. Uma informação significativa normalmente é armazenada além da região da memória de curto prazo, ficando na região da memória de longo prazo. Alguns indivíduos com deficiências cognitivas têm dificuldades com um, dois ou todos os três destes tipos de memória. Quanto mais significativo é o conteúdo para as necessidades do usuário, maior a chance de que seja movido para o armazenamento na memória funcional do cérebro. Alguns operadores podem ter dificuldades de memória que prejudicam sua capacidade de lembrar-se de qual era o conteúdo do assunto dentro e fora do Web Site.

Resolução de Problemas

Alguns indivíduos com deficiências cognitivas podem levar um tempo razoável para resolverem problemas que possam surgir. Em muitos casos, a resiliência pode ser reduzida e a consequente frustração é tal que eles optem por abandonar o site, em vez de  persistirem em resolver o problema . Um exemplo desta situação seria a presença de um erro 404 (página não encontrada) a partir de um link com defeito, ou um link que não os leve para onde eles pensaram que iam.

Atenção

Existem muitas pessoas que possuem dificuldade em focalizar a atenção para uma determinada tarefa que tenha em mãos. Distrações, como a rolagem de texto e ícones ou imagens piscando pode tornar o ambiente web mais difícil. Pode ser irritante mesmo para os usuários mais acostumados a presença de pisca-piscas, ou de percorrer vários itens com pop-ups e etc.. A boa concepção destes princípios seria limitar o uso apenas aos casos onde for necessário para transmitir os conteúdos e informaçoes.

Algumas pessoas com "Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade" (TDAH TDAH ou ADHD) têm dificuldades no aprendizado, mas muitas vezes isso ocorre devido ao grau distração do indivíduo, e não a qualquer tipo de incapacidade para processar a informação. As pessoas com TDAH podem ser impulsivas, facilmente distraídas, e agirem como desavisados. Numa nota positiva, algumas pessoas com déficts de atenção são bastante criativos e muito produtivos durante curtos períodos de tempo, com abundância de entusiasmo e energia. Em uma nota menos positiva, que pode ser difícil para as pessoas com TDAH cumprirem uma tarefa por um longo período de tempo. Na Web, banners piscando podem ser perturbadores, bem como qualquer coisa que chame a atenção da pessoa para fora do conteúdo principal.

Leitura, Lingüística, e Compreensão Verbal

Algumas pessoas tem dificuldades de compreensão de textos. Estas dificuldades podem ser leves ou graves, que vão desde pequenos desafios até uma completa incapacidade para ler qualquer texto. Seria razoável esperar que os desenvolvedores web fossem capazes de acomodar toda a gama de habilidades de leitura. A diferença entre os não-leitores e os leitores-gênio é simplesmente demasiado grande. É razoável, no entanto, de esperar que os desenvolvedores escrevam de maneira tão simples e clara quanto possível, tendo em conta o público primário e incluindo aqueles que podem ter dificuldades com alguns dos tipos de conteúdo. Afinal, existe a estimativa de que 15-20% da população tem algum tipo de dificuldade de linguagem ou na compreensão de textos.

Embora sejam difíceis de verificar as reivindicações, é comumente relatado que muitos líderes e intelectuais famosos tiveram dificuldade de leitura e / ou de ortografia, incluindo: Winston Churchill, Thomas Edison, Henry Ford, Albert Einstein, George Washington, John F. Kennedy, Leonardo da Vinci e outros. A mensagem a ser levada para casa é que os escritores não sabem se os membros da sua audiência de leitores possuem dificuldades ou não. Esta costuma ser uma  condição que muitas pessoas conseguem manter em segredo.

Aqui está um exemplo de um problema de leitura. Note que pode ser de percepção ou de transformação. Veja se a associação com a acessibilidade ajuda você a corrigir.

O que está sendo dito nesta frase?

Tob eornot obe

Agora verifique o poder e a importância dos gráficos incorporados como uma forma de melhorar o contexto da palavra escrita, olhando para a frase com uma imagem.

Outra leitura interessante com a simulação de uma situação difícil e nossa resistência em face aos problemas de leitura podem ser encontradas em http://www.angmail.fsnet.co.uk/jumbltxt.htm- link externo.

Texto não-literal

Um problema para alguns leitores não é literal o texto, mas o sarcasmo, a sátira, a paródia, a alegoria, metáforas, gírias e coloquialismos. Em alguns casos, os leitores não vão perceber que as palavras não são destinadas a serem entendidas  literalmente. Um escritor que diz "Eu adoro ficar preso no trânsito quando já estou atrasado para o trabalho" provavelmente significa o oposto do que esta frase realmente diz. Frases com sarcasmo como este pode ser confusa para alguns leitores. Do mesmo modo, alguém que diz que ela mantêm "os patos em linha" pode não perceber que o autor não está provavelmente referindo-se aos "patos" como realmente é dito. O autor está sugerindo que ao leitor a possibildiade da idéia de organização ou disciplina, através da comparação de filhotes de pato seguindo com a mãe, todos alinhados atrás dela, a fim de ilustrar o conceito.

Texto não-existente

O fato de inserir suposições e significado subentendido no conteúdo escrito pode parecer óbvio ao escritor, mas nem todos os leitores possuem o conhecimento necessário para entender realmente o que o escritor está querendo dizer.  Alguns leitores podem não ter as habilidades para inferir significado ao texto sem ajuda adicional..

Compreensão Matemática

Expressões matemáticas muitas vezes não são fáceis para todos compreenderem. Isso não significa que os autores devem evitar totalmente a matemática. Para as pessoas que estão lendo equações e confortável pensar matematicamente, e a melhor maneira de explicar os conceitos matemáticos é usar equações. Por outro lado, muitas vezes, é útil explicar a Matemática conceitualmente, com ou sem as fórmulas. Explicações conceituais podem ajudar os leitores a compreenderem o raciocínio por trás da matemática.

Compreensão Visual

Algumas pessoas têm dificuldades de transformar a informação visual. Em muitos aspectos, este é o oposto do problema vivenciado por pessoas com dificuldades de leitura e processamento verbal. Pessoas com dificuldades de compreensão visual podem não reconhecer objetos e para que servem. Eles podem reconhecer o fato de que há objetos em uma página da Web, mas podem também não serem capazes de identificar os objetos. Por exemplo, eles podem não perceber que uma fotografia de uma pessoa é uma representação de uma pessoa, embora eles possam ver claramente a fotografia em si (como um objeto) na página da web.

Para estas pessoas, uma pessoa falar em um vídeo pode ser mais fácil de identificar e processar mentalmente a informação do que uma imagem estática de uma pessoa em uma fotografia. Vídeos e multimídia, acompanhada de narração, pode ser a melhor forma de se comunicar com esses indivíduos.

In https://www.brasilmedia.com/

comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.