Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

educação diferente

Projecto da responsabilidade da apie - Associação Portuguesa de Investigação Educacional - Educação Especial e Deficiência.

Educação Especial e Teoria Histórico-Cultural: Contribuições para o Desenvolvimento Humano

Educação Especial e Teoria Histórico-Cultural: Contribuições para o Desenvolvimento Humano

SÍNDROME DE TOURETTE

 

A síndrome de Tourette (ST) é uma patologia de comprometimento psicossocial que conduz a alterações muito significativas na vida dos seus portadores e respectivos familiares.

 

Definição: A ST é um distúrbio genético, de natureza neuropsiquiátrica, caracterizado por fenómenos compulsivos, que podem resultar numa série repentina de múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais, durante pelo menos 1 ano (começando antes dos 18 anos de idade).

 

História: A primeira descrição de um paciente com características  de ST (Marquesa de Dampierre), foi realizada pelo médico francês Jean Itard (1825). Porém, somente em 1884, recebeu o nome de síndrome de Gilles de la Tourette (ST), quando este definiu a patologia como um distúrbio caracterizado por tiques múltiplos, incluindo o uso involuntário ou inapropriado de palavras obscenas e a repetição involuntária de um som, palavra ou frase de outrem.

 

Incidência: A incidência de casos de ST tem aumentado nos últimos anos - 5/10000 habitantes. Esta síndrome é encontrada em vários países, independentemente de classe social, etnia, acometendo cerca de três a quatro vezes mais o sexo masculino, em relação ao sexo feminino .

Características: Na grande maioria dos casos, os tiques motores são a manifestação inicial, incluem: piscar, franzir a testa, contrair os músculos da face, balançar a cabeça, contrair os músculos abdominais e/ou outros grupos musculares, assim como, movimentos mais complexos - como tocar em objetos próximos.

Também são típicos os tiques vocais - ruídos não articulados, como: tossir, fungar ou limpar a garganta, emissão parcial ou completa de palavras, entre outros... Em menos de 50% dos casos, estão presentes o uso involuntário de palavras (coprolalia) e gestos (copropraxia) obscenos, a formulação de insultos, a repetição de um som, palavra ou frase dita por outra pessoa (ecolalia).

Diagnóstico: O diagnóstico é essencialmente clínico e deve obedecer aos seguintes critérios: tiques motores múltiplos e um ou mais tiques vocais que devem manifestar-se durante algum tempo (mas não necessariamente em simultaneo); os tiques devem ocorrer diversas vezes por dia, quase todos os dias ou intermitentemente por um período de pelo menos três meses consecutivos; o quadro deve começar antes dos 18 anos de idade.

Intervenção: A ST é uma desordem que não tem cura, mas pode ser controlada. Estudos clínicos têm demonstrado resultados positivos na utilização da terapia comportamental cognitiva (reversão de hábitos) - treino dos pacientes para controlar as sensações premonitórias e os tiques, respondendo-lhes com uma reação voluntária fisicamente incompatível com o tique.

Medicamentos antipsicóticos também se têm mostrado úteis na redução da intensidade dos tiques, quando a sua repetição se reverte em prejuízo para a autoestima/aceitação social. O uso de medicamentos ou outras técnicas podem trazer benefícios e/ou efeitos colaterais - assim sendo, a abordagem farmacológica deve apenas ser considerada quando os benefícios da intervenção forem superiores aos efeitos adversos. Para além disto, factores psicológicos e sociais podem influenciar na evolução da resposta terapêutica em pacientes com ST.

O medicamento deve ser administrado em pequenas doses, com aumentos graduais até que se atinja o máximo de supressão dos sintomas com o mínimo de efeitos colaterais - a posologia dos medicamentos varia para cada paciente, necessitando ser avaliada periodicamente pelo médico.

Nos casos de tiques bem localizados, podem ser tentadas aplicações locais de toxina botulínica (botox).

Excepcionalmente, também pode ser indicado o tratamento cirúrgico com estimulação cerebral profunda, aplicada em certas áreas do cérebro.

1 comentário

comentar artigo